Mato Grosso do Sul, Sábado 20 de outubro de 2018

Douradense bate recorde no Circuito Caixa em SP

Daiane Mailan Souza conquistou a marca no final de semana nos 400 metros

Gazeta MS Por Renato Giansante - 05/10/2018 10h39

Dainane durante visita a loja Camisa 10 e o site Gazeta MS (foto: Renato Giansante) Dainane durante visita a loja Camisa 10 e o site Gazeta MS (foto: Renato Giansante)

A douradense Daiane Mailan Souza, de 30 anos, chega a seu auge na carreira esportiva com o recorde brasileiro nos 400 metros no Circuito Caixa disputado no Comitê Paralímpico Brasileiro, em São Paulo.

Com uma história de superação e luta diária, a paratleta treina no projeto da prefeitura de Dourados comandado pelo professor Toninho Pietramale e contou das dificuldades de se manter no esporte e arcar com o tratamento de sua paralisia cerebral congênita.

"O esporte me deu uma melhora física visto que não tinha coordenação motora e agora sou recordista em uma prova longa como os 400 metros", contou Daiane que faz parte da Associação Dourados Paralímpica há quatro anos.

A entrada no esporte foi através de um convite de Toninho Pietramale, mas no início teve o temor de não conseguir praticar a modalidade devido a sua deficiência.

"Nunca tinha praticado esporte, até porque na escola não tive nenhum incentivo. Quando o Toninho me chamou, a princípio recusei, pois não conseguia ter uma coordenação motora. Mas aos poucos fui acompanhando o treino dele e conseguindo correr", contou.

Em 2017, a jovem perdeu a sua mãe e revelou que as dificuldades financeiras só aumentaram. "Ela era um porto-seguro e desde então as dificuldades só aumentaram. Para se manter no esporte e no tratamento, precisei de auxílio como de algumas pessoas agora nesta competição em São Paulo", relatou apontando para Luciano do Tabasco Burguer, Ronaldo Ramos de uma empresa de arquitetura, o Advogado Jorge Dauzacker e a editora Falcão. Já para o tratamento, Daiane conta com a ajuda do médico Adolfo da clínica de neurologia Adolfo Teixeira.

Os próximos sonhos da jovem são de poder concluir a faculdade de Serviço Social onde parou no último ano devido a sua deficiência e a falta de recursos financeiros para pagar a mensalidade na Unopar e depois conseguir seguir a carreira. No esporte, espera conseguir apoio para disputar o Circuito Caixa em abril do próximo ano onde pretende manter o índice e o recorde na competição.

"Preciso agradecer as pessoas que vem me ajudando e também a Unopar que contribui como uma tutora, a Fundesporte e a Prefeitura de Dourados que dão apoio dentro do esporte", conclui a paratleta lembrando também das amigas Cláudia e Eliane.

Quem puder contribuir com a jovem de alguma maneira, o seu contato é no (67) 9 9826-3865.



Envie seu Comentário