Naufrágio deixa pelo menos 31 mortos no Mar Egeu

Agência da ONU para Refugiados revela que muitas pessoas continuam desaparecidas; foram três acidentes ocorridos entre os dias 21 e 24, sendo que 160 migrantes foram resgatados pela guarda costeira da Grécia.

| ONU NEWS


Acnur calcula 2,5 mil mortes em alto mar entre janeiro e novembro de 2021. - Foto: OIM/Hussein Ben Mosa

A Agência da ONU para Refugiados, Acnur, divulgou esta terça-feira que pelo menos 31 pessoas morreram em três naufrágios ocorridos no Mar Egeu entre os dias 21 e 24 de dezembro. Existe ainda um número desconhecido de pessoas desaparecidas. 

Segundo o Acnur, mais de 160 pessoas foram resgatadas pela Guarda Costeira Helênica, com o apoio da Marinha e da Força Aérea da Grécia. A agência da ONU elogia os esforços de todos os envolvidos nas ações para garantir a segurança dos sobreviventes. 

Exploração da miséria humana 

A representante do Acnur na Grécia declarou ser de partir o coração o fato de que sem caminhos seguros e no meio do desespero, refugiados e migrantes acabam confiando suas vidas aos contrabandistas.

Maria-Clara Martin pede mais ação para controlar o contrabando de pessoas e acabar com a “exploração da miséria humana”. A especialista lembra que tragédias como a do Mar Egeu podem ser prevenidas e destaca que não podemos nos “acostumar em ver corpos sendo retirados do mar”.  

2,5 mil mortes 

O primeiro naufrágio aconteceu na ilha de Folegrandos no dia 21 de dezembro, com 13 pessoas resgatadas e três corpos recuperados. Um sobrevivente contou à guarda costeira grega que pelo menos 50 pessoas estavam no barco, sem nenhum equipamento de segurança. 

No segundo naufrágio, ocorrido na ilha Antikythera, causou a morte de 11 pessoas e 88 foram resgatadas. Na véspera do Natal, um barco carregando pelo menos 80 migrantes afundou na ilha de Paros e 17 pessoas morreram, incluindo um bebê. Os sobreviventes receberam comida, roupas e cobertores. 

O Acnur calcula que entre janeiro e final de novembro, mais de 2,5 mil pessoas morreram ou desapareceram em alto mar, na tentativa de chegar até a Europa via Mediterrâneo ou pela rota marítima do noroeste da África. 



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE