Nas asas da poesia - Adail Alencar Taveira


Adail Alencar Taveira. Foto: Divulgação

Levitando nas asas da poesia,
viajei pelos caminhos da ilusão,
sonhei sonhos que me aquecia,
e nesses sonhos doei o meu coração.
Na minha imaginação vislumbrava,
Uma mulher linda como uma moldura,
e com muito amor a amava,
e nos envolvemos em muita ternura.
E fomos alimentando o nosso cantinho,
com palavras doces e apaixonantes,
compartilhávamos tanto carinho,
e vivíamos na magia de cada instante.
E cada vez mais fomos nos envolvendo,
e mesmo na distância estávamos tão perto,
e em cada carinho íamos revivendo,
mesmo tendo um futuro incerto.
Que delícia de sonho! que amor lindo!
nada importa o mundo lá fora,
é tão delicioso vê-la sorrindo,
e oferecendo versos toda hora.
E vamos nos amando sem cobranças, nem pressões,
o que importa é a nossa ternura compartilhada,
porque no meu castelo de ilusões,
eu sou o seu súdito, ela a minha fada.
Como poeta pinto a sua moldura,
minha musa querida, adorada,
não sou pintor mas ofereço a minha ternura,
nesses versos para a mulher amada.
Adail Alencar Taveira.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE