Depois de 29 anos, Rali de Bonito volta ao Rio Formoso e emociona canoístas

| GOVMS / SILVIO ANDRADE


Várias gerações de canoístas se encontraram neste domingo nas águas do Rio Formoso para competir e celebrar o retorno do Rali de Bonito, que foi no passado uma das principais provas do Campeonato Brasileiro. A competição teve início em 1989 e encerrou-se em 1993, contribuindo para revelação de campeões brasileiros do Estado e dar visibilidade a uma região que se tornaria o principal destino de ecoturismo do Brasil.

“Foi a melhor coisa que poderia acontecer para a canoagem e também para Bonito, que volta a receber uma prova que, seguramente, se tornará nacional', comemorou o vice-prefeito de Bonito Juca Ygarapé, 61, um dos pioneiros do turismo da Serra da Bodoquena e incentivador dos esportes radicais na região. “Para nós foi um prazer, depois de 30 anos, receber a prova de um esporte que é forte no Estado e tem campeões inclusive paraolímpicos.'

O domingo amanheceu nublado, média de 17 graus, com o Rio Formoso recebendo água turva depois de um forte temporal na véspera. Mas a ausência da água transparente não tirou o brilho do evento. “O rio e esse lugar são lindos de qualquer jeito', resumiu o presidente da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), Rafael Girotto, 32, que também competiu. “Eu queria sentir essa emoção, é uma prova diferente, o rio estava cheio e exigiu muito', citou.

Guardião das águas

O Rali de Bonito foi realizado na manhã deste domingo (15), num percurso de 4 km entre o Hotel-Fazenda Cachoeira e o Eco Park Porto da Ilha (antiga Ilha do Padre), com correnteza forte e quatro cachoeiras para transpor. O evento contou com a participação de 10 equipes do Estado e uma de Piracicaba (SP), totalizando 33 atletas, e apoio do Governo do Estado, por meio da Fundesporte (Fundação de Desporto e Lazer de MS).

Dentre os canoístas veteranos a completar a prova, destaque para José Siqueira Loureiro (Zelão), 72 anos, de Campo Grande. Professor de educação física aposentado, ele disputou algumas etapas na década de 1990 e se sentiu realizado em voltar ao Rio Formoso. “Reabriram o rali e estamos aproveitando o momento para o reencontro com esse lugar lindo, valeu a pena, é muita emoção', comentou. “Nos primeiros ralis ainda não se falava em turismo aqui.'

Homenageado pela Confederação Brasileira de Canoagem e Federação Sul-mato-grossense de Canoagem, o vice-prefeito Juca Ygarapé lembrou que foi vice-campeão brasileiro da competição realizada em 1992, integrando a equipe bonitense os canoístas Fernando Monteiro e Jones Xavier. “A canoagem faz parte do nosso meio ambiente, pois o canoísta é o guardião dessas águas', pontuou. “Digo mais: Bonito tem tudo ver com esse esporte.'

Valendo ranking

A prova de Bonito não valeu pontos para o Campeonato Estadual e foi aberta, contando com a presença de uma equipe de São Paulo, campeã de uma das cinco categorias disputadas. O objetivo principal da competição foi anunciar que o rali está de volta e a partir de 2023 deverá valer ponto para o ranking brasileiro, aposta Gustavo Figueiró, presidente da federação estadual. O dirigente também competiu e foi campeão na equipe de Girotto, da CBCa.

T



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE