Renato Marcílio participa em Brasília de evento que discute a expansão do saneamento básico no país

Denominado pré-evento ‘Universalização do Saneamento – Novo Marco Legal’, o encontro reúne autoridades governamentais, dirigentes de estatais e especialistas no assunto

| SANESUL


O diretor-presidente da Sanesul, Renato Marcílio.

O diretor-presidente da Sanesul, Renato Marcílio, participa nesta quarta-feira (8), em Brasília, de evento no qual serão discutidas questões relacionadas à expansão da universalização do esgotamento sanitário no país, entre outros pontos prioritários como parte do novo marco legal do saneamento.  

Engenheiro civil, Marcílio assumiu o comando da companhia no dia 31 de janeiro com o compromisso de estender o setor do saneamento e atingir às metas ambiciosas da empresa em âmbito estadual.

Denominado pré-evento ‘Universalização do Saneamento – Novo Marco Legal’, o encontro reúne autoridades governamentais, dirigentes de estatais e especialistas no assunto e visa discutir as principais premissas do novo marco legal do saneamento.

Organizado pela empresa P3C, especializada no mercado de PPPs e Concessões com foco nos Investimentos em Infraestrutura no Brasil, o evento discutirá ainda a regionalização do saneamento.

Em 15 de dezembro de 2022, o então governador Reinaldo Azambuja sancionou o projeto de lei 5.989, que institui duas unidades regionais de saneamento básico.

De acordo com a lei, sancionada pelo governador, a primeira das unidades conta com 66 municípios e a outra com 13.

A ideia é que os municípios atendidos pela Sanesul e os que compreendem as SAAEs (Sistema Autônomo de Água e Esgoto) – Bandeirantes, Bela Vista, Cassilândia, Corguinho, Costa Rica, Glória de Dourados, Jaraguari, Paraíso das Águas, Rochedo e São Gabriel do Oeste  --, e mais Campo Grande integrem as duas unidades regionais.

OUTROS PAINÉIS 

Entre os painéis do encontro serão abordados temas como “o novo governo Lula e a busca da universalização do saneamento: como levar os serviços de água e esgoto à população menos abastada?’ e “o que o novo marco legal do saneamento já gerou de contratação de investimentos em universalização e melhoria do meio ambiente'.

Um dos assuntos relevantes do debate será “a proibição de celebração dos contratos de programa', com foco se faz sentido a sua manutenção'.

.